Seguro Viagem: quando o opcional se torna essencial

No setor do Turismo, um dos seguros mais importantes é o seguro viagem. Esse produto é o que garante segurança ao longo de uma viagem – em especial nas internacionais – por meio de coberturas médicas de emergência, indenização por extravio de bagagens, cancelamento da viagem, entre outros serviços. No entanto, mesmo que o produto seja essencial para a segurança do viajante e seu preço represente menos de 10% do total da viagem, muitas pessoas optam por não adquiri-lo na hora de fechar uma viagem e, com isso, acabam ficando a mercê da sorte.

Nos últimos anos, a importância do seguro viagem tem sido muito debatida não apenas pelos profissionais do trade, como também pelos viajantes. Afinal, diante de um imprevisto um grande benefício é poder ter com quem contar na hora de resolver as adversidades de um problema e fazer com que a viagem dos sonhos não se torne um verdadeiro pesadelo.

É um fato que os seguros de viagem não cobrem casos extremos, como uma pandemia mundial, isso porque uma pandemia é algo que, estatisticamente, não se pode calcular – todas as medidas a serem tomadas dependem dos órgão governamentais de cada país. E isso não deve mudar. Mas, por mais que o seguro não tenha cobertura neste tipo de situação, as seguradoras continuam dando o maior suporte para seus clientes.

A GTA Seguros, por exemplo, auxiliou todos os seus clientes na hora de buscar por repatriação, realizando consultorias e encaminhando as solicitações para as embaixadas. “Nós realizamos todo um atendimento prévio quando os viajantes começam a sentir os sintomas da Covid-19. No entanto, a partir do momento que ele é diagnosticado, a cobertura é encerrada. Ainda assim, mesmo nesses casos, nós mantemos o contato com os clientes, direcionamos para os hospitais da região e orientamos cada um eles a entrar em contato com as embaixadas”, afirmou Paloma Freitas, gerente Comercial da GTA Seguros.

Para Rafael Turra, diretor operacional e de produtos da Vital Card, as pandemias não deixarão de ser uma exclusão, mas poderão mudar a forma com que as seguradoras oferecem assistência para os seus clientes.”Nós não temos cobertura financeira mas nunca deixamos de amparar quem esta lá fora. Tanto na última pandemia – da Influenza em 2010, como nesta, nós prestamos o atendimento inicial e encaminhamos os clientes para o serviço de saúde governamental local. Isso faz toda diferença”, comentou.

Um serviço essencial

A necessidade de um seguro viagem neste momento pode ser observada na seguinte situação: com as fronteiras fechadas e as viagens interrompidas, os clientes que adquiriram um pacote de viagem, uma passagem aérea, diárias de hotel ou qualquer outro serviço turístico se viram obrigados a adiar ou até mesmo cancelar sua viagem. Aqueles que não optaram por comprar um bom seguro viagem, com uma cobertura para esses casos, podem ter perdido todo ou boa parte do seu investimento financeiro.

Por isso, Rafael Turra acredita que o viajante do futuro vai estar muito mais preocupado com a aquisição de um seguro no cenário de retomada de viagens pós-pandemia. “Pela questão da saúde ser um risco lá fora, as pessoas vão buscar esse serviço mais do que antes. O consumidor vai estar muito mais receptivo a adquirir este produto porque o fator segurança vai estar intimamente ligado as próximas viagens”, afirmou Rafael.

Para Claudia Brito, da April Seguros, o cenário será parecido. “Acredito que os passageiros vão ter mais a sensibilidade e a necessidade de contratar um seguro de viagem. Além disso, pode ser que o produto se torne um item obrigatório, pois as pessoas vão sentir mais insegurança na hora de viajar. Acredito que essa mudança possa ser muito positiva para o trade, em especial para as seguradoras”, afirmou.

Nas três empresas, GTA, Vital Card e April, são oferecidos as coberturas de cancelamento de viagem. Neste caso, se o cancelamento da viagem for justificado – como em caso de mortes na família, férias canceladas, demissão e visto negado, por exemplo – todas as multas são cobertas pelas seguradoras. É válido ler todo o contrato e saber exatamente quais são as condições de cancelamento e coberturas inclusas em cada uma das empresas.

“Quando você adquiri um seguro viagem, você não esta comprando só uma proteção, esta comprando uma orientação e suporte. Esse suporte humano não tem preço. Essa pessoa humana é fundamental nesse momento. Se não fosse o agente de viagem ser o elo entre os fornecedores e os passageiros, essa ajuda que transcende o que foi comprado não existiria. A pessoa do agente de viagens foi colocada em evidência. Na retomada, essa figura vai ser primordial”, afirmou Turra.

Para Paloma, esse é um momento de união “Eu acredito que não há nada que, unidos, nós não sejamos capazes de superar. Este é um momento muito difícil, mas é também um momento de humanização. É um momento de união”, finalizou.

No dia 14 de maio, é celebrado o Dia Continental do Seguro, um serviço que visa proteger os bens materiais e imateriais dos seres humanos. Queremos parabenizar todos os profissionais do segmento por seus esforços diários para oferecer o melhor serviço a todos os viajantes.