Jockey Club de São Paulo inicia obras de restauro do patrimônio histórico

Sob comando do empresário Benjamin Steinbruch desde 2017, o Jockey Club de São Paulo marca uma nova etapa de sua história com gestão profissionalizada e revitalização de uma das mais belas áreas de lazer da cidade.

Desde o início do mês de julho, profissionais especializados em restauro de obras tombadas pelo patrimônio histórico se dedicam a analisar e retirar peças do pórtico de entrada principal do hipódromo paulista. Como em um intrincado quebra-cabeças, as lâminas de vidro e esquadrias vão sendo desmontadas, restauradas sem alterar suas características originais, para muito em breve serem recolocadas em seu local de origem.

O mesmo processo deverá acontecer com as paredes: raspadas, lixadas e pintadas em suas cores originais, de acordo com técnicas especializadas no restauro de construções históricas.

O projeto de restauração do Jockey Club, que incluirá desde os pórticos de entrada até os salões de apostas, marquise e arquibancadas, será coordenado pela organização social Elysium Sociedade Cultural, vencedora do processo de concorrência com incentivos obtidos pela Lei Rouanet.

“O restauro prepara o Jockey Club para reviver seus dias de glória, mas desta vez como uma opção de lazer inclusivo, que manterá seu glamour, mas será acessível a todos os paulistanos e turistas que visitem a cidade”, garaniu Steinbruch.

As obras de restauro serão realizadas em 6 fases distintas, começando pelo pórtico de entrada principal. “O mais curioso é que para muitas pessoas a própria obra de restauração já pode ser considerada uma atração”, afirma Wolney Unes, coordenador do processo na Elysium Sociedade Cultural e engenheiro responsável pela obra.

A expectativa é de que essa primeira fase das obras seja finalizada até outubro de 2020, com um custo estimado de R$ 2 milhões.